Categorias
Cargos e salários

Professor de inglês – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Professor de inglês, onde estão as melhores vagas de emprego para professor de inglês, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de língua, literatura e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Professor de inglês:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Professor de inglês

  • Jornada de trabalho: 32h
  • Piso salarial: R$1.745,88
  • Salário médio: R$2.458,99
  • Maior salário: R$3.716,09
  • Salário hora: R$15,53
  • Código da Profissão: CBO 234616

Atribuições do cargo do Professor de inglês

Ministram aulas, cursos e seminários e realizam pesquisas, nas áreas de linguística e literatura; orientam alunos; realizam atividades pedagógico-administrativas, de avaliação e de qualificação profissional; organizam a produção do conhecimento na área; divulgam conhecimentos científicos; prestam assessoria e consultoria.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

Essas ocupações são exercidas por pessoas com formação superior na área de letras, geralmente pós-graduadas. Para o exercício pleno das funções não se requer experiência profissional, exceto para as ocupações de professores de filologia e crítica textual e professores de literatura comparada. A admissão ao exercício profissional em universidades públicas é por concurso.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Os profissionais dessa família ocupacional exercem suas funções em instituições e estabelecimentos cujas atividades estão relacionadas a ensino, cultura e pesquisa e desenvolvimento. Geralmente, são contratados na condição de trabalhadores assalariados, com carteira assinada; atuam de forma individual, em duplas e em equipes de trabalho; desenvolvem as atividades com supervisão ocasional, em ambientes fechados, geralmente no período diurno; o exercício do trabalho pode ocorrer de forma presencial e em sistema de ensino a distância. Os profissionais de algumas das ocupações podem estar sujeitos à estresse e podem estar expostos à ação de ruído intenso.

Código internacional CIUO88
2310 – Profesores de universidades y otros establecimientos de la enseñanza superior

Nota
No mercado de trabalho é comum ocorrerem casos de profissionais que exercem, concomitantemente, funções de professor universitário e pesquisador. Para codificá-los, considerar as atividades principais.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

MINISTRAR AULAS, CURSOS, SEMINÁRIOS NAS ÁREAS DE LÍNGUA, LINGÜÍSTICA E LITERATURA

1 – Definir conteúdos programáticos;
2 – Selecionar textos para estudo;
3 – Promover o estudo de textos;
4 – Selecionar material didático e paradidático (livros, fitas, vídeos etc);
5 – Elaborar material didático e paradidático;
6 – Programar atividades de laboratório de língua e informática;
7 – Programar o uso de equipamentos de apoio;
8 – Programar atividades de pesquisa;
9 – Realizar atualização bibliográfica;
10 – Atualizar conteúdos programáticos;
11 – Realizar discussões teórico-metodológicas com os alunos;
12 – Promover seminários, palestras, entre outros, sobre temas específicos;
13 – Discutir questões sociais e culturais, em classe;
14 – Discutir o uso da língua frente às demandas econômicas, sociais, políticas;
15 – Discutir sobre a aplicação do estudo da língua na prática profissional;
16 – Promover estudos inter e transdisciplinares;
17 – Promover estudos sobre inter-relações de diferentes linguagens;
18 – Ministrar cursos de ensino à distância;

REALIZAR PESQUISAS NAS ÁREAS DE LÍNGUA, LINGÜÍSTICA E LITERATURA

1 – Elaborar projetos;
2 – Realizar levantamento bibliográfico;
3 – Montar equipe de pesquisa;
4 – Prever recursos financeiros para pesquisa;
5 – Coletar dados e materiais para pesquisa;
6 – Analisar dados e materiais de pesquisa;
7 – Realizar seminários para discussão de resultados parciais de pesquisas;
8 – Elaborar relatórios e monografias;
9 – Escrever textos relacionados à pesquisa;
10 – Apresentar trabalhos em congressos científicos;
11 – Publicar trabalhos;
12 – Desenvolver metodologias científicas de trabalho;
13 – Realizar estudos interdisciplinares;
14 – Participar de reuniões de linhas e grupos de pesquisa;
15 – Pesquisar o uso de novas tecnologias de apoio para a área;
16 – Analisar princípios metodológicos da área;

ORIENTAR ALUNOS

1 – Dar atendimento individual aos alunos;
2 – Orientar trabalhos de conclusão de curso – TCC;
3 – Orientar trabalhos de monitoria;
4 – Orientar trabalhos de iniciação científica;
5 – Orientar trabalhos de especialização;
6 – Orientar dissertações de mestrado;
7 – Orientar teses de doutorado;
8 – Indicar bibliografia;
9 – Supervisionar estágios;
10 – Orientar alunos na apresentação de trabalhos;

REALIZAR ATIVIDADES DE AVALIAÇÃO

1 – Avaliar as necessidades dos alunos;
2 – Estabelecer critérios de avaliação;
3 – Preparar instrumentos de avaliação;
4 – Avaliar o desenvolvimento de alunos no curso;
5 – Avaliar a produção escrita de alunos;
6 – Avaliar a leitura e compreensão de textos orais e escritos;
7 – Discutir resultados da produção discente;
8 – Avaliar grade curricular;
9 – Avaliar o projeto pedagógico do curso;
10 – Avaliar atividades de ensino, pesquisa e extensão;
11 – Avaliar exame nacional de cursos;
12 – Realizar auto-avaliação;
13 – Participar de bancas examinadoras (TCC, ME, DO et);
14 – Participar de júri de premiação acadêmica e científica;
15 – Participar de júri de premiação cultural;

REALIZAR ATIVIDADES DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

1 – Frequentar cursos de especialização, aperfeiçoamento, extensão, etc;
2 – Elaborar dissertação de mestrado;
3 – Elaborar tese de doutorado;
4 – Desenvolver atividades de pós-doutorado;
5 – Participar de eventos acadêmicos, científicos e culturais, nacionais e internacionais;
6 – Realizar discussões teórico-metodológicas;
7 – Participar de intercâmbios científicos e culturais, nacionais e internacionais;
8 – Estudar novas tecnologias de apoio à pesquisa;
9 – Estudar novas tecnologias de apoio ao ensino;
10 – Participar de discussões sobre a área, pela Internet;

REALIZAR ATIVIDADES PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVAS

1 – Estruturar projetos pedagógicos na área;
2 – Discutir propostas curriculares;
3 – Planejar e implementar grades curriculares;
4 – Preparar programas de cursos;
5 – Distribuir disciplinas;
6 – Organizar horários, cronogramas, etc;
7 – Exercer cargos de chefia, direção, supervisão e coordenação;
8 – Representar os pares em comissões externas à instituição;
9 – Participar de colegiados;
10 – Participar da organização de bancas examinadoras;
11 – Atualizar acervo bibliográfico da área na instituição;
12 – Planejar orçamento;
13 – Sugerir compra de materiais para laboratório de língua, informática, etc;
14 – Participar da elaboração de propostas curriculares;
15 – Elaborar e implementar projetos de extensão;

ORGANIZAR A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO NA ÁREA

1 – Realizar atividades de editoração;
2 – Traduzir textos;
3 – Organizar edições críticas;
4 – Organizar e editar publicações científicas;
5 – Elaborar livros didáticos de língua e literatura;
6 – Organizar edições didáticas de obras literárias;
7 – Organizar edições didáticas para o ensino de línguas;
8 – Elaborar glossários;
9 – Elaborar dicionários;
10 – Organizar antologias;
11 – Elaborar notas e resenhas sobre livros;
12 – Escrever prefácio, posfácios, introduções, orelhas e quartas capas;
13 – Elaborar críticas literárias;
14 – Escrever verbetes;
15 – Organizar edições diplomáticas;
16 – Organizar atlas linguísticos;

DIVULGAR CONHECIMENTOS CIENTÍFICOS

1 – Organizar eventos científicos e culturais;
2 – Promover intercâmbios científicos e culturais;
3 – Realizar palestras, conferências, etc;
4 – Organizar concursos literários;
5 – Disponibilizar conhecimentos didático-pedagógicos, via meios impressos, eletrônicos e digitais;
6 – Disponibilizar a produção científica, via meios impressos, eletrônicos e digitais;
7 – Divulgar a produção discente;
8 – Promover cursos de extensão para empresas, sindicatos, ONGS etc;
9 – Publicar traduções de textos;

PRESTAR ASSESSORIA E CONSULTORIA

1 – Prestar assessoria a instituições de ensino;
2 – Prestar assessoria a órgãos públicos;
3 – Prestar assessoria a órgãos de fomento à pesquisa;
4 – Elaborar pareceres para órgãos de fomento à pesquisa;
5 – Elaborar pareceres para publicações científicas;
6 – Elaborar pareceres para editoras;
7 – Sugerir traduções, publicações, et, para editoras;
8 – Realizar revisão de textos e traduções;
9 – Participar de comissões para estabelecimento de critérios de avaliação para concursos;
10 – Elaborar exames para concursos (vestibular, ingresso seleção de professores, etc);
11 – Elaborar exames de proficiência em línguas;
12 – Participar da correção de exames;
13 – Elaborar cursos de extensão para empresas, sindicatos, ONGS, etc.;
14 – Analisar processos de comunicação em instituições;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Dominar os fundamentos histórico-teórico-metodológicos da área;
2 – Demonstrar capacidade de reflexão;
3 – Relacionar teoria e prática;
4 – Demonstrar capacidade de análise e síntese;
5 – Articular conhecimento de diferentes áreas;
6 – Estimular senso crítico dos alunos;
7 – Demonstrar capacidade de transmitir conhecimentos científicos, com clareza;
8 – Analisar a inter-relação entre formas verbais e não-verbais de linguagem;
9 – Relacionar conhecimentos específicos da área a questões sócio-culturais;
10 – Demonstrar capacidade de interagir com os alunos;
11 – Trabalhar em equipe;
12 – Demonstrar domínio instrumental de língua estrangeira;
13 – Atualizar-se na carreira acadêmica;
14 – Demonstrar capacidade de liderança;
15 – Proceder com ética nas relações interpessoais e profissionais;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Livros especializados;
  2. Revistas especializadas;
  3. Livros didáticos;
  4. Revistas;
  5. Gravador;
  6. Compact Discs (CD);
  7. CD-ROM;
  8. Impressora;
  9. Publicações científicas;
  10. Mapas;
  11. Cartões ilustrativos;
  12. Equipamentos de informática;
  13. Material de escritório;
  14. Equipamento multimídia;
  15. Atlas linguístico;
  16. Projetor de slides;
  17. Equipamento audiovisual;
  18. Transparências;
  19. Dicionários;
  20. Fitas de vídeo;
  21. Fitas cassetes;
  22. Jornais;
  23. Retroprojetor;

CARGOS RELACIONADOS

  1. Professor de língua alemã – Professor de alemão;
  2. Professor de língua italiana – Professor de italiano;
  3. Professor de língua francesa – Professor de francês;
  4. Professor de língua inglesa – Professor de inglês;
  5. Professor de língua espanhola – Professor de espanhol;
  6. Professor de língua portuguesa – Professor de português;
  7. Professor de literatura brasileira;
  8. Professor de literatura portuguesa;
  9. Professor de literatura alemã;
  10. Professor de literatura comparada;
  11. Professor de literatura espanhola;
  12. Professor de literatura francesa;
  13. Professor de literatura inglesa;
  14. Professor de literatura italiana;
  15. Professor de literatura de línguas estrangeiras modernas;
  16. Professor de outras línguas e literaturas;
  17. Professor de línguas estrangeiras modernas;
  18. Professor de linguística e linguística aplicada – Professor de linguística, Professor de linguística aplicada;
  19. Professor de filologia e crítica textual – Professor de crítica textual, Professor de filologia, Professor de filologia germânica, Professor de filologia portuguesa, Professor de filologia românica, Professor de linguística românica;
  20. Professor de semiótica;
  21. Professor de teoria da literatura;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Alexandre Sebastião Ferrari Soares;
  • Alexandre Soares Carneiro;
  • Ana Maria Haddad Baptista;
  • Antônio Dimas;
  • Célia De Moraes Rego Pedrosa;
  • Débora De Carvalho Figueiredo;
  • Edna Maria Barian Perroti;
  • Glória Carneiro Do Amaral;
  • José Pereira Da Silva;
  • Leila Barbara;
  • Maria Aparecida Caltasiano Magalhães Borges Da Sil;
  • Maria Da Glória Corrêa Di Fanti;
  • Mônica Ferreira Mayrink;
  • Reinaldo Martiniano Marques;
  • Rosa Maria Mijas Beloto;
  • Sílvia Dinucci Fernandes;
  • Terezinha Costa Hashimoto Bertin;

INSTITUIÇÕES

  • Faculdade De Ciências E Letras – Unesp- Araraquara;
  • Faculdades Integradas Teresa Martin;
  • Fundação São Paulo- Pontifícia Universidade Católica (Puc);
  • UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF);
  • Unioeste -Univ. Estadual Do Oeste Do Paraná;
  • Universidade De São Paulo (Usp);
  • Universidade Do Estado Do Rio De Janeiro – Uerj;
  • Universidade Do Vale Do Rio Dos Sinos;
  • Universidade Estadual De Campinas (Unicamp);
  • Universidade Federal De Minas Gerais (Ufmg);
  • Universidade Federal De Santa Catarina (Ufsc);
  • Universidade Metodista De São Paulo (Umesp);
  • Universidade Sao Judas Tadeu;
  • Usp / Puc-sp;

Instituição Conveniada Responsável

Fundação de Desenvolvimento da Unicamp – Funcamp

Fonte: Ministério do Trabalho

Categorias
Cargos e salários

Professor de ciência política – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Professor de ciência política, onde estão as melhores vagas de emprego para professores de ciências políticas, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de ciências políticas e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Professor de ciência política do ensino superior:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Professor de ciência política do ensino superior

  • Jornada de trabalho: 19h
  • Piso salarial: R$2.035,13
  • Salário médio: R$2.866,38
  • Maior salário: R$4.331,76
  • Salário hora: R$30,32
  • Código da Profissão: 234720

Atribuições do cargo de Professor de ciência política do ensino superior

Preparam e ministram aula nas áreas de ciências humanas no ensino superior e orientam trabalhos acadêmicos; elaboram planos de ensino; supervisionam estágio; avaliam processos de ensino-aprendizagem; participam de processos de seleção e avaliação. Prestam assessoria técnico-científica; exercem atividades acadêmico-administrativas e constroem projetos político-pedagógicos. Podem desenvolver atividades de pesquisa e extensão.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

O exercício dessas ocupações requer ensino superior completo e títulos de pós-graduação ou especialização na área. É comum o ingresso e a progressão na carreira por intermédio de concursos, principalmente, na área pública. O pleno desempenho das atividades, como professor-titular, geralmente ocorre após três ou quatro anos de experiência.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Exercem suas funções em instituições e entidades de ensino e são contratados na condição de trabalhadores com carteira assinada. Organizam-se em equipes de trabalho e também podem atuar de forma individual. Trabalham com supervisão ocasional, em ambientes fechados e a céu aberto, geralmente no período diurno. O exercício do trabalho pode se dar de forma presencial e à distância. Podem estar sujeitos a situação de estresse, devido a trabalhos sob pressão.

Código internacional CIUO88
2310 – Profesores de universidades y otros establecimientos de la enseñanza superior

Nota
No mercado de trabalho é comum ocorrerem casos de profissionais que exercem, concomitantemente, funções de professor universitário e pesquisador. Para codificá-los, considerar a atividade principal.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

MINISTRAR AULA

1 – Apresentar conteúdos de disciplinas;
2 – Provocar reflexões;
3 – Promover debates;
4 – Discutir textos;
5 – Responder perguntas;
6 – Organizar seminários;
7 – Formular questões;
8 – Indicar bibliografia;
9 – Utilizar recursos audiovisuais;
10 – Realizar atividades em laboratórios e oficinas;
11 – Realizar experiências extra-sala;
12 – Controlar freqüência;

DESENVOLVER ATIVIDADES DE PESQUISA E EXTENSÃO

1 – Elaborar projetos de pesquisa;
2 – Elaborar projetos de extensão;
3 – Elaborar trabalhos científicos;
4 – Divulgar resultados;
5 – Coordenar projetos de pesquisa;
6 – Coordenar projetos de extensão;
7 – Orientar pesquisadores;
8 – Elaborar relatórios;
9 – Selecionar recursos humanos;
10 – Supervisionar atividades de campo;
11 – Avaliar execução de pesquisa;
12 – Captar recursos para pesquisa e extensão;
13 – Executar pesquisas;
14 – Prestar serviços à comunidade;
15 – Avaliar execução de atividades de extensão;
16 – Identificar demandas da sociedade;
17 – Trabalhar com a comunidade;
18 – Participar de eventos técnico-científicos;
19 – Organizar publicações;

ORIENTAR TRABALHOS ACADÊMICOS

1 – Orientar construção de objeto de pesquisa;
2 – Orientar formulação do projeto;
3 – Acompanhar execução do projeto;
4 – Sugerir bibliografia;
5 – Realizar reuniões de orientação;
6 – Avaliar produção do orientado;
7 – Preparar orientando para exame de qualificação;
8 – Preparar orientando para defesa do trabalho;
9 – Examinar produto final;

PREPARAR AULAS

1 – Elaborar plano de aula;
2 – Realizar leituras;
3 – Organizar atividades didáticas;
4 – Atualizar dados e informações conjunturais;
5 – Rever bibliografia;
6 – Elaborar textos;
7 – Elaborar material didático;

ELABORAR PLANO DE ENSINO

1 – Definir objetivos da disciplina;
2 – Definir metodologia;
3 – Selecionar bibliografia;
4 – Avaliar ementas e programas;
5 – Pesquisar bibliografia;
6 – Montar cronograma;
7 – Prever formas de avaliação;
8 – Selecionar recursos didáticos;
9 – Definir atividades extra-sala;
10 – Definir critérios de avaliação;
11 – Acompanhar desenvolvimento de planos de ensino;
12 – Definir ementas e programas;

SUPERVISIONAR ESTÁGIOS

1 – Identificar campos de estágio;
2 – Elaborar programas e projetos de estágio;
3 – Acompanhar atividades de estágio;
4 – Propor a realização de convênios e parcerias;
5 – Fiscalizar a aplicação das normas de estágio;
6 – Orientar iniciação ao exercício profissional;
7 – Avaliar iniciação ao exercício profissional;

AVALIAR PROCESSOS DE ENSINO-APRENDIZAGEM

1 – Elaborar instrumentos de avaliação;
2 – Aplicar instrumentos de avaliação;
3 – Analisar resultados de avaliações;
4 – Readequar processo de ensino-aprendizagem;
5 – Rever prática docente;
6 – Avaliar provas;
7 – Comentar resultados de avaliações;
8 – Verificar freqüência;
9 – Avaliar participação em classe e extraclasse;
10 – Avaliar trabalhos acadêmicos programados;
11 – Examinar relatórios de campo;

PARTICIPAR DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E AVALIAÇÃO

1 – Selecionar candidatos ao ingresso em cursos de pós-graduação;
2 – Selecionar candidatos em concursos;
3 – Examinar monografias, teses e dissertações;
4 – Avaliar currículos e memoriais;
5 – Participar da elaboração de editais para concursos;
6 – Arguir candidatos à titulação;
7 – Julgar trabalhos acadêmicos;

PRESTAR ASSESSORIA TÉCNICO-CIENTÍFICA

1 – Emitir laudos e pareceres técnicos;
2 – Emitir parecer sobre textos para fins de publicação;
3 – Assessorar projetos de instituições;
4 – Prestar consultoria;
5 – Dar entrevistas;

EXERCER ATIVIDADES ACADÊMICO-ADMINISTRATIVAS

1 – Participar de órgãos colegiados;
2 – Coordenar núcleos, programas, laboratórios e oficinas;
3 – Organizar eventos acadêmicos;
4 – Chefiar departamentos acadêmicos;
5 – Coordenar cursos;
6 – Gerenciar recursos financeiros e materiais;
7 – Integrar comissões;
8 – Coordenar programas de estágio;
9 – Orientar formação de acervos;
10 – Propor minutas de editais, portarias e resoluções;
11 – Prestar contas dos recursos financeiros;

CONSTRUIR PROJETOS POLÍTICO-PEDAGÓGICOS

1 – Definir perfil profissional;
2 – Construir currículo do curso;
3 – Definir política de capacitação docente;
4 – Definir perfil dos alunos;
5 – Identificar perfil dos docentes;
6 – Definir perfil dos docentes;
7 – Construir política de estágio;
8 – Definir linhas de pesquisa e extensão;
9 – Definir diretrizes de avaliação do curso;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Manter-se atualizado;
2 – Demonstrar capacidade de argumentação;
3 – Demonstrar capacidade de reflexão;
4 – Demonstrar capacidade de síntese;
5 – Demonstrar capacidade de expressão oral;
6 – Demonstrar capacidade de redação;
7 – Demonstrar capacidade de problematizar;
8 – Demonstrar capacidade de estabelecer interlocuções;
9 – Demonstrar capacidade de observação;
10 – Demonstrar capacidade de motivação;
11 – Demonstrar capacidade de mobilização;
12 – Demonstrar capacidade de contextualização;
13 – Demonstrar capacidade de polemização;
14 – Demonstrar capacidade de lidar com a diversidade;
15 – Demonstrar criatividade;
16 – Exercer papéis de cidadania;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Livros e outras publicações;
  2. Recursos de hipermídia;
  3. Textos;
  4. Periódicos científicos;
  5. Recursos multimídia;
  6. Sistema GPS – Global Position System;
  7. Instrumentos de medidas de precisão;
  8. Mapas;
  9. Computador;
  10. Softwares específicos;
  11. Mesas digitalizadoras;
  12. Internet;
  13. Imagem de satélite;
  14. Banco de dados;
  15. Retroprojetor;

CARGOS RELACIONADOS

  1. Professor de antropologia do ensino superior;
  2. Professor de arquivologia do ensino superior;
  3. Professor de biblioteconomia do ensino superior;
  4. Professor de ciência política do ensino superior;
  5. Professor de comunicação social do ensino superior;
  6. Professor de direito do ensino superior;
  7. Professor de filosofia do ensino superior;
  8. Professor de geografia do ensino superior;
  9. Professor de história do ensino superior;
  10. Professor de jornalismo;
  11. Professor de museologia do ensino superior;
  12. Professor de psicologia do ensino superior;
  13. Professor de serviço social do ensino superior;
  14. Professor de sociologia do ensino superior;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Armindo Boll;
  • Axel Gregoris De Lima;
  • Carlos Alberto De Vasconcelos Rocha;
  • Cesar Antonio Serbena;
  • Ewerton Vieira Machado;
  • Isa De Oliveira Rocha;
  • Jairo Queiroz Pacheco;
  • José Augusto Rossetto Júnior;
  • Leonardo Gomes Mello E Silva;
  • Luiz Antonio Scavone Junior;
  • Marcelo Nascimento Bernardo Da Cunha;
  • Maria Fernanda T. B. Costa;
  • Marília Xavier Cury;
  • Otavio Pinto E Silva;
  • Rose Serra;
  • Virgínia Célia Camilotti;
  • Walter Moreira;

INSTITUIÇÕES

  • Centro Universitário Das Faculdades Metropolitanas Unidas – Faculdade De Direito (Unifmu);
  • Centro Universitário Das Faculdades Metropolitanas Unidas – Faculdade De Psicologia (Unifmu);
  • Faculdade Paulista De Serviço Social;
  • Museu De Arqueologia E Etnologia Da Usp;
  • Pontifícia Universidade Católica De Minas Gerais (Puc-mg);
  • Universidade De São Paulo – Departamento De Sociologia (Usp-fflch);
  • Universidade De Taubaté (Unitau);
  • Universidade Do Estado De Santa Catarina – Centro De Ciências Da Educação (Udesc-faed);
  • Universidade Do Estado Do Rio De Janeiro – Faculdade De Serviço Social (Uerj);
  • Universidade Federal Da Bahia – Departamento De Museologia;
  • Universidade Federal De Santa Catarina (Ufsc);
  • Universidade Federal Do Paraná;
  • Universidade Metodista De Piracicaba (Unimep);

Instituição Conveniada Responsável

Ministério Do Trabalho E Emprego – Mte

Fonte: Ministério do Trabalho

Glossário
GPS: Global Position System – Sistema de Posicionamento Global

Categorias
Cargos e salários

Engenheiro Ambiental – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Engenheiro Ambiental, onde estão as melhores vagas de emprego para engenheiro ambiental, informações completas do Ministério do Trabalho com a participação de empresas e profissionais do setor de engenharia ambiental e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Engenheiro Ambiental:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Engenheiro Ambiental

  • Jornada de trabalho: 42h
  • Piso salarial: R$3.999,46
  • Salário médio: R$5.633,04
  • Maior salário: R$8.512,81
  • Salário hora: R$26,98
  • Código da profissão: CBO 214005

Atribuições do cargo de Engenheiro Ambiental

Elaboram e implantam projetos ambientais ; gerenciam a implementação do sistema de Gestão Ambiental (SGA) nas empresas, implementam ações de controle de emissão de poluentes, administram resíduos e procedimentos de remediação. Podem prestar consultoria, assistência e assessoria.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

Para o exercício profissional requer-se formação em engenharia ambiental ou cursos de tecnologia na área ambiental e registro no respectivo conselho de classe, quando exigido. O exercício pleno da atividade ocorre, em média, após um a dois anos de experiência.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Atuam na maioria das atividades econômicas, com foco na reciclagem, eletricidade, gás, capataçã, purificação e distribuição de água, além da silvicultura, exploração florestal. Costumam trabalhar em equipe multidisciplinar, em laboratórios e escritórios e também ‘à céu aberto´, ou ´no campo´. Os vínculos de trabalho mais comum são como trabalhador assalariado, ou por conta-própria, na condição de prestador de serviços.

Código internacional CIUO88
2142 – Ingenieros civiles

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ELABORAR PROJETOS AMBIENTAIS

1 – Levantar dados;
2 – Definir objetivos;
3 – Estudar alternativas;
4 – Definir plano de ação;
5 – Elaborar orçamento;
6 – Especificar equipamentos e materiais;
7 – Definir prioridades;
8 – Definir metodologias de execução;
9 – Realizar investigação de campo;
10 – Definir organograma;
11 – Elaborar cronograma;
12 – Definir escopo;
13 – Assinar projetos;

GERENCIAR IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL – SGA

1 – Monitorar indicadores da empresa;
2 – Participar da elaboração do sga;
3 – Participar da implantação de certificação ambiental;
4 – Desenvolver instruções de trabalho;
5 – Participar de auditorias de certificação;

CONTROLAR EMISSÕES DE POLUENTES

1 – Realizar testes e análises;
2 – Projetar máquinas e equipamentos;
3 – Elaborar ações de manutenção preventiva e corretiva;
4 – Calibrar equipamentos de controle de emissões;
5 – Pesquisar tecnologias;
6 – Implementar tecnologias;

GERIR RESÍDUOS

1 – Coletar amostras;
2 – Classificar resíduos;
3 – Quantificar resíduos;
4 – Analisar resíduos;
5 – Destinar resíduos;
6 – Levantar alternativas de destinação;
7 – Levantar custos de destinação;
8 – Acompanhar cadeia de custódia;

IMPLANTAR PROJETOS AMBIENTAIS

1 – Selecionar mão-de-obra, equipamentos, materiais e serviços;
2 – Controlar orçamento;
3 – Controlar recebimento de materiais e serviços;
4 – Contratar recursos humanos;
5 – Coordenar equipe;
6 – Capacitar equipe;
7 – Monitorar resultados das ações do projeto;
8 – Gerenciar ações institucionais;
9 – Acompanhar fiscalização;

IMPLEMENTAR PROCEDIMENTOS DE REMEDIAÇÃO

1 – Identificar aspectos e impactos (passivos ambientais);
2 – Quantificar impactos;
3 – Qualificar impactos;
4 – Instalar projeto piloto de remediação;
5 – Monitorar projeto piloto;
6 – Ensaiar produtos, métodos, equipamentos e procedimentos;

PRESTAR CONSULTORIA, ASSISTÊNCIA E ASSESSORIA

1 – Atender clientes;
2 – Realizar visitas técnicas;
3 – Realizar avaliações ambientais;
4 – Fiscalizar questões hidráulicas e ambientais de obras;
5 – Propor soluções técnicas;

COMUNICAR-SE

1 – Elaboar relatórios;
2 – Elaborar minuta de documentos;
3 – Emitir laudos técnicos;
4 – Divulgar tecnologias;
5 – Assinar autos de inspeção;
6 – Promover educação ambiental;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Trabalhar em equipe multidisciplinar;
2 – Demonstrar visão sistêmica;
3 – Demonstrar raciocínio lógico;
4 – Demonstrar capacidade de análise;
5 – Demonstrar capacidade de resolução de problemas;
6 – Antecipar problemas;
7 – Antever cenários futuros;
8 – Demonstrar capacidade de decisão;
9 – Demonstrar senso crítico;
10 – Contornar situações adversas;
11 – Demonstrar criatividade;
12 – Demonstrar capacidade de negociação;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Gps
  2. Recursos De Informática
  3. Sofwares E Hardwares Específicos
  4. Epi
  5. Aparelhos De Comunicação
  6. Câmera
  7. Equipamentos De Medição
  8. Veículos Terrestres E Aquáticos
  9. Normas Técnicas E Legislação
  10. Sig – Sistema De Informação Geográfica
  11. Vidraria De Laboratório
  12. Material De Escritório

CARGOS RELACIONADOS

1 – Engenheiro ambiental – Engenheiro de meio ambiente;
2 – Tecnólogo em meio ambiente – Tecnólogo em gestão ambiental, Tecnólogo em processos ambientais, Tecnólogo em saneamento ambiental;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Aline Biscegli Lopes;
  • Gabriela Moreira De Maria;
  • Guilherme Fernando Teixeira De Mendonça E Silva;
  • Herodes Lima;
  • Isabela Viana Araujo Goes Giannotti;
  • Jamerson Da Silva Farias;
  • Luiz Paulo Gomes Ferraz Moreno;
  • Roberto Carotta;
  • Werner Kessler;

INSTITUIÇÕES

Cinco Engenheiros Consultores Ltda.;

Fcth;

Regea;
Schattdecor Do Brasil;

Instituição Conveniada Responsável

Ministério Do Trabalho E Emprego – Mte

Fonte: Ministério do Trabalho

Glossário
Cadeia de custódia é o que também se entende por ciclo de vida dos resíduos. SIG – Sistema de Informação Geográfica SGA – Sistema de Gestão Ambiental

Categorias
Cargos e salários

Arquiteto de interiores – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Arquiteto de interiores, onde estão as melhores vagas de emprego para Arquiteto de interiores, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de arquitetura e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Arquiteto de interiores :

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Arquiteto de interiores

  • Jornada de trabalho: 42h
  • Piso salarial: R$2.837,23
  • Salário médio: R$3.996,10
  • Maior salário: R$6.039,03
  • Salário hora: R$19,11
  • Código da profissão: CBO 214110

Atribuições do cargo do Arquiteto de interiores

Elaboram planos e projetos associados à arquitetura em todas as suas etapas, definindo materiais, acabamentos, técnicas, metodologias, analisando dados e informações. Fiscalizam e executam obras e serviços, desenvolvem estudos de viabilidade financeira, econômica, ambiental. Podem prestar serviços de consultoria e assessoramento, bem como estabelecer políticas de gestão.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

Para o exercício das ocupações exige-se o curso superior completo em arquitetura e urbanismo, com ocorrência de profissionais com cursos de especialização e/ou pós-graduação.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

O trabalho é exercido em atividades econômicas como a da construção civil, de empresas imobiliárias, industriais e de serviços, na condição de empregado ou autônomo, prestando serviços. São mais freqüentemente encontrados em empresas e escritórios de médio e grande porte do setor privado, em empresas e órgãos administrativos do setor público, em institutos de pesquisa e planejamento urbano, em instituições ligadas ao patrimônio histórico e na área ambiental. Seu trabalho se desenvolve tanto de forma individual como integrando equipe de trabalho especializada ou multidisciplinar.

Código internacional CIUO88
2141 – Arquitectos, urbanistas e ingenieros de tránsito

Nota
Podem ocorrer casos de arquitetos que exercem também funções de professor no ensino superior. Para codificá-los, considerar as atividades principais. Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966 – regula o exercício das profissões de engenheiro, arquiteto e engenheiro agrônomo e dá outras providências. Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991 – altera a lei nº 5.194/66.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ELABORAR PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

1 – Identificar necessidades do cliente/usuário;
2 – Coletar informações e dados;
3 – Analisar dados e informações;
4 – Elaborar diagnóstico;
5 – Buscar um conceito arquitetônico compatível com a demanda;
6 – Definir conceito projetual;
7 – Elaborar metodologia;
8 – Pré-dimensionar o empreendimento proposto;
9 – Elaborar estudos preliminares e alternativas;
10 – Compatibilizar projetos complementares;
11 – Compatibilizar planos, programas e projetos setoriais;
12 – Definir técnicas;
13 – Definir materiais;
14 – Elaborar planos diretores e setoriais;
15 – Elaborar o detalhamento técnico construtivo;
16 – Elaborar orçamento do projeto;
17 – Buscar aprovação do projeto junto aos órgãos competentes;
18 – Registrar responsabilidade técnica (art);
19 – Elaborar manual do usuário;

FISCALIZAR OBRAS E SERVIÇOS

1 – Assegurar fidelidade quanto ao projeto;
2 – Fiscalizar obras e serviços quanto ao andamento físico, financeiro e legal;
3 – Conferir medições;
4 – Monitorar controle de qualidade dos materiais e serviços;
5 – Ajustar projeto a imprevistos;

PRESTAR SERVIÇOS DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

1 – Avaliar métodos e soluções técnicas
2 – Promover integração entre comunidade e planos, programas e projetos
3 – Elaborar laudos, perícias e pareceres técnicos
4 – Promover integração entre comunidade e bens edificados
5 – Realizar estudo de pós-ocupação
6 – Coordenar equipes de planos, programas e projetos

GERENCIAR EXECUÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

1 – Preparar cronograma físico e financeiro;
2 – Elaborar o caderno de encargos;
3 – Cumprir exigências legais de garantia dos serviços prestados;
4 – Implementar parâmetros de segurança;
5 – Selecionar prestadores de serviço, mão-de-obra e fornecedores;
6 – Acompanhar execução de serviços específicos;
7 – Aprovar os materiais e sistemas envolvidos na obra;
8 – Efetuar medições do serviço executado;
9 – Aprovar os serviços executados;
10 – Entregar a obra executada;
11 – Executar reparos e serviços de garantia da obra;

DESENVOLVER ESTUDOS DE VIABILIDADE

1 – Analisar documentação do empreendimento proposto;
2 – Verificar adequação do projeto à legislação, condições ambientais e institucionais;
3 – Avaliar alternativas de implantação do projeto;
4 – Identificar alternativas de operacionalização;
5 – Identificar alternativas de financiamento;
6 – Elaborar relatórios conclusivos de viabilidade;

ORDENAR USO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO

1 – Sistematizar legislação existente;
2 – Analisar legislação existente;
3 – Elaborar cadastro fundiário municipal;
4 – Compatibilizar políticas setoriais;
5 – Definir diretrizes para uso e ocupação do espaço;
6 – Elaborar plano diretor municipal/pddu;
7 – Propor legislação e instrumentos urbanísticos;
8 – Monitorar a implementação da legislação urbanística;

FOMENTAR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

1 – Identificar oportunidades de serviços;
2 – Divulgar o trabalho de arquitetura e urbanismo;
3 – Comercializar serviços arquitetônicos e urbanísticos;
4 – Dar garantia dos serviços prestados;
5 – Promover estudos e pesquisas em arquitetura e urbanismo;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Demonstrar capacidade de síntese;
2 – Expressar idéias graficamente;
3 – Transmitir segurança;
4 – Dar prova de percepção espacial;
5 – Manifestar criatividade;
6 – Gerenciar informações e atividades diversas;
7 – Demonstrar sensibilidade estética;
8 – Manifestar comprometimento social;
9 – Atuar em equipes multidisciplinares;
10 – Administrar conflitos;
11 – Assegurar a qualidade dos seviços;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Computador;
  2. Software cad (computer aided design);
  3. Material de prospecção;
  4. Sensores de umidade e temperatura;
  5. Software de edição de texto e planilhas;
  6. Software de edição multimídia;
  7. Escalímetro;
  8. Software de apresentação gráfica;
  9. Acesso à internet;
  10. Trena;
  11. Prancheta com régua paralela;
  12. Esquadros e compasso;
  13. Máquina fotográfica;
  14. Calculadora;
  15. Catálogos de materiais e produtos;
  16. Material de desenho (lápis, canetas etc);
  17. Impressora, plotter e copiadora;
  18. Livros e publicações técnicas;
  19. Gabarito de peças;
  20. Eterioscópio;
  21. Scanner;
  22. Softwares especiais;
  23. Mesa digitalizadora;
  24. Gps;

CARGOS RELACIONADOS

  1. Arquiteto de edificações – Engenheiro arquiteto, Projetista (arquiteto);
  2. Arquiteto de interiores;
  3. Arquiteto de patrimônio – Arquiteto de restauro, Arquiteto;
  4. Restaurador, Conservador de edificações, Restaurador de edificações;
  5. Arquiteto paisagista – Arquiteto da paisagem, Paisagista;
  6. Arquiteto urbanista – Planejador urbano;
  7. Urbanista

PARTICIPARAM DA PESQUISA

Ana Lucia Nogueira De Paiva Britto;
Cassio Marcelo Silva Castro;
Cyro Illídio Corrêa De Oliveira Lyra;
José Lázaro De Carvalho Santos;
João Carlos Moreira Filho;
Júlio Guerra Torres;
Leon Cláudio Myssior;
Luiz Antônio De Souza;
Marieta Cardoso Maciel;
Otilie Macedo Pinheiro;
Rogério Carvalho Silva;
Rosa Grena Kliass;
Sebastião Lúcio Scaldaferri;
Sonia Maria Candido;
Tarcísio Silva Filho;
Thomás Anastasia Rebelo Horta;
Wivian Patrícia Pinto Diniz;

INSTITUIÇÕES

Companhia De Desenvolvimento Urbano Do Estado Da Bahia – Conder;
Davila Arquitetura;
Instituto Do Patrimônio Histórico E Artístico Nacional (Iphan);
Instituto Estadual Do Patrimônio Histórico E Artístico De Minas Gerais (Iepha);
Kade Engenharia E Construcão Ltda;
Mil Arquitetura E Consultoria S/c Ltda.;


Ministério Das Cidades
Pólis Arquitetura;
Rosa Grena Kliass Paisagismo Planejamento E Projetos Ltda.;
Secretaria De Planejamento De Minas Gerais (Seplan);
Sfs Arquitetura E Planejamento Ltda.;
Universidade Federal Do Rio De Janeiro – Faculdade De Arquitetura;

Instituição Conveniada Responsável

Centro De Desenvolvimento E Planejamento Regional – Cedeplar – Fundep – Ufmg

Fonte: Ministério do Trabalho

 

Categorias
Cargos e salários

Engenheiro Civil – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Engenheiro Civil, onde estão as melhores vagas de emprego para Engenheiro Civil, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de engenharia e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Engenheiro Civil:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Engenheiro Civil

  • Jornada de trabalho: 42h
  • Piso salarial: R$4.892,07
  • Salário médio: R$6.890,24
  • Maior salário: R$10.412,74
  • Salário hora: R$33,19
  • Código da profissão: CBO 214205

Atribuições do cargo de Engenheiro Civil

Elaboram projetos de engenharia civil, gerenciam obras, controlam a qualidade de empreendimentos. Coordenam a operação e manutenção do empreendimento. Podem prestar consultoria, assistência e assessoria e elaborar pesquisas tecnológicas.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

Para o exercício profissional requer-se formação em nível superior em tecnologia em Construção Civil ou Engenharia Civil e registro no CREA, sendo frequente os profissionais portadores de títulos de especialização e pós-graduação lato sensu. O exercício pleno da atividade ocorre, em média, após cinco anos de experiência, para engenheiros civis e em média até dois anos no caso dos tecnólogos.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Atuam na maioria das atividades econômicas com concentração na construção civil. Trabalham na área de planejamento e gerenciamento de projetos construtivos para as mais diversas finalidades. Costumam trabalhar em equipe multidisciplinar, em laboratórios e escritórios e também ‘à céu aberto´, ou ´no campo´. Os vínculos de trabalho mais comum são como trabalhador assalariado, ou por conta-própria, na condição de prestador de serviços. Eventualmente, em certas atividades, alguns profissionais trabalham em condições especiais, por exemplo, em ambientes subterrâneos ou confinados, expostos à poeira, mau cheiro, ruído intenso e materiais tóxicos.

Código internacional CIUO88
2142 – Ingenieros civiles

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

ELABORAR PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

1 – Planejar empreendimento;
2 – Realizar investigação de campo;
3 – Realizar levantamentos técnicos;
4 – Analisar dados primários e secundários;
5 – Definir metodologia de execução;
6 – Fazer estudo da viabilidade técnica, econômica e ambiental do empreendimento;
7 – Desenvolver estudos ambientais;
8 – Propor alternativas técnicas, econômicas e ambientais;
9 – Dimensionar elementos de projetos;
10 – Detalhar projetos;
11 – Especificar equipamentos, materiais e serviços;
12 – Elaborar cronograma físico e financeiro;
13 – Elaborar estudo de modelagem;

GERENCIAR OBRAS CIVIS

1 – Selecionar mão-de-obra, equipamentos, materiais e serviços
2 – Controlar recebimento de materiais e serviços;
3 – Controlar cronograma físico e financeiro da obra;
4 – Fiscalizar obras;
5 – Supervisionar segurança da obra;
6 – Supervisionar aspectos ambientais da obra;
7 – Realizar ajuste de campo;
8 – Medir serviços executados;
9 – Gerar projeto conforme construído (as built);

PRESTAR CONSULTORIA, ASSISTÊNCIA E ASSESSORIA

1 – Avaliar projetos e obras;
2 – Elaborar programas e planos;
3 – Propor soluções técnicas;
4 – Periciar projetos e obras;
5 – Realizar capacitação técnica;

CONTROLAR QUALIDADE DO EMPREENDIMENTO

1 – Executar ensaios de materiais, resíduos, insumos e produto final;
2 – Verificar atendimento a normas, padrões e procedimentos;
3 – Identificar métodos e locais de instalação de instrumentos de controle de qualidade;
4 – Verificar aferição, calibração dos equipamentos;
5 – Analisar ensaios de materiais, resíduos e insumos;
6 – Controlar documentação técnica;
7 – Fiscalizar controle ambiental do empreendimento;
8 – Realizar auditorias;
9 – Avaliar desempenho da obra;

COORDENAR OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO EMPREENDIMENTO

1 – Gerenciar recursos técnico-financeiros;
2 – Gerenciar recursos humanos;
3 – Coordenar apoio logístico;
4 – Gerenciar suprimento de materiais e serviços;
5 – Avaliar dados técnicos e operacionais;
6 – Avaliar relatórios de inspeção;
7 – Programar inspeção preventiva e corretiva;
8 – Programar intervenções no empreendimento;

ORÇAR O EMPREENDIMENTO

1 – Quantificar mão-de-obra, equipamentos, materiais e serviços;
2 – Cotar preços e custos de insumos do empreendimento;
3 – Apropriar custos específicos e gerais do empreendimento;
4 – Compor custos unitários de mão-de-obra, equipamentos, materiais e serviços;

CONTRATAR EXECUÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS

1 – Estabelecer critérios para pré-qualificação de serviços e obras;
2 – Preparar termo de referência para contratação de serviços e obras;
3 – Preparar edital de licitação para obras e serviços de engenharia;
4 – Preparar propostas técnicas para prestação de serviços e obras;
5 – Preparar proposta comerciais para prestação de serviços e obras;
6 – Julgar propostas técnicas e financeiras;
7 – Administrar contratos;

PESQUISAR TECNOLOGIAS

1 – Elaborar projetos de pesquisa;
2 – Coordenar pesquisas tecnológicas;
3 – Ensaiar novos produtos, métodos, equipamentos e procedimentos;
4 – Implementar novas tecnologias;

COMUNICAR-SE

1 – Elaborar relatórios;
2 – Emitir parecer técnico;
3 – Elaborar laudos e avaliações;
4 – Elaborar normas, procedimentos e especificações técnicas;
5 – Divulgar tecnologias;
6 – Elaborar publicações científicas;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Trabalhar em equipe;
2 – Demonstrar capacidade de negociação;
3 – Demonstrar raciocínio lógico;
4 – Demonstrar visão sistêmica;
5 – Demonstrar raciocínio matemático;
6 – Demonstrar criatividade;
7 – Demonstrar dinamismo;
8 – Demonstrar capacidade de liderança;
9 – Demonstrar capacidade de decisão;
10 – Demonstrar visão espacial;
11 – Usar epi;
12 – Controlar situações adversas;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Equipamentos Topográficos;
  2. Veículos De Transporte;
  3. Equipamentos de hidrojateamento;
  4. Usinas;
  5. Epi;
  6. Material De Escritório (calculadora);
  7. Publicações Técnicas;
  8. Equipamentos De Comunicação;
  9. Mapas Cartográficos, Imagens De Satélite E Levanta;
  10. Legislação específica;
  11. Recursos De Informática;
  12. Equipamentos De Construção Leve;
  13. Gps;
  14. Máquina fotográfica;
  15. Equipamentos De Laboratório E Campo;
  16. Softwares Específicos;

CARGOS RELACIONADOS

1 – Engenheiro civil – Engenheiro de planejamento, Engenheiro orçamentista, Engenheiro projetista;
2 – Engenheiro civil (aeroportos);
3 – Engenheiro civil (edificações);
4 – Engenheiro civil (estruturas metálicas);
5 – Engenheiro civil (ferrovias e metrovias);
6 – Engenheiro civil (geotécnia) – Engenheiro civil (fundações), Engenheiro civil (mecânica de solos);
7 – Engenheiro civil (hidrologia);
8 – Engenheiro civil (hidráulica);
9 – Engenheiro civil (pontes e viadutos);
10 – Engenheiro civil (portos e vias navegáveis);
11 – Engenheiro civil (rodovias) – Engenheiro civil (terraplanagem), Engenheiro de estradas, Engenheiro de geometria, Engenheiro de pavimentação, Engenheiro de projetos viários, Engenheiro de segurança viária, Engenheiro de sinalização viária, Engenheiro rodoviário;
12 – Engenheiro civil (saneamento) – Engenheiro civil (obras sanitárias), Engenheiro sanitarista;
13 – Engenheiro civil (túneis);
14 – Engenheiro civil (transportes e trânsito) – Analista de projetos viários, Analista de transportes e trânsito, Analista de tráfego, Engenheiro de logística, Engenheiro de operação (transporte rodoviário), Engenheiro de transportes, Engenheiro de tráfego, Engenheiro de trânsito;
15 – Tecnólogo em construção civil – Tecnólogo em construção civil-modalidade edifícios, Tecnólogo em construção civil-modalidade hidráulica, Tecnólogo em construção civil-modalidade movimento de terra e pavimentação, Tecnólogo em construção de edifícios, Tecnólogo em controle de obras, Tecnólogo em edificações, Tecnólogo em estradas;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

Alexandre Prado Rocha;
Aurélio Meneguelli Ribeiro;
Benjamin José Da Silva;
Claudio Luiz Ridente Gomes;
Cleber José De Carvalho;
Damião Campos Guimarães;
Danielo Nunes Rondon;
Eder Souza De Almeida;
Eduardo Antônio De Castilho Fonseca;
Elisangela Carla França;
Eugênio Álvares De Lima E Silva;
Eustáquio Pires Dos Santos;
Geórgenis Trigueiro Fernandes;
Hermes Evaristo Dos Reis;
José Eduardo Starling Soares;
José Leonardo Canut;
José Xavier Guimarães Neto;
João Ernani Antunes Costa;
João Manoel Soares Zendron;
Julio Manoel Custodio Correia;
Maria Helena Harumy Inoue Abduch;
Maria Luisa Ferreira Belo Moncorvo;
Maria Selma Freitas Schwab;
Marília Fernandes Zaza Von Dollinger;
Mário Enrique De Souza;
Priscila Costa Carvalho;
Raquel Chinaglia Pereira Dos Santos;
Reinaldo De Oliveira Godoy;
Rodrigo José Sevilha Ribeiro;
Roger Gama Veloso;
Rovena Serrano Teodoro;
Rubens Vieira;
Wadson De Abreu Santos;
Wilson Corradi Novais;

INSTITUIÇÕES

Bh Trans – Empresa De Transporte E Trânsito De Belo Horizonte;
CONCREMAX CONCRETO ENGº E SANEAMENTO LTDA;
Caesb- Companhia De Saneamento Ambiental Do Distrito Federal;
Cetesb;
Codeme Engenharia S.A.;
Companhia De Saneamento De Minas Gerais (Copasa);
Companhia Energética Do Estado De Minas Gerais (Cemig);
Construtora Andrade Gutierrez S.A.;
Departamento De Estradas De Rodagem Do Estado De Minas Gerais (Der-mg);
Departamento Nacional De Estradas De Rodagem (Dner);
Engesolo Engenharia;
Ferrovia Centro Atlântica S.A.;
Floram Consultoria E Prestação De Serviços Ltda;
Fundação Estadual Do Meio Ambiente (Feam);
Fusati Engenharia E Assessoria Ambiental Ltda;
INSITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – MT;
INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLOGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO;
Instituto Estadual De Meio Ambiente E Recursos Hidricos Do Espírito Santo;
Ipt-instituto De Pesquisas Tecnológicas;
MAJO CRISTOFER EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS LTDA;
Novo Nordisk Produção Farmacêutica Do Brasil Ltda;
Odebrecht Engenharia E Construção S.A.;
Platô Engenharia Ltda.;
Prefeitura Municipal De Osasco;

Instituição Conveniada Responsável

Ministério Do Trabalho E Emprego – Mte

Fonte: Ministério do Trabalho

Categorias
Cargos e salários

Engenheiro mecânico – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Engenheiro mecânico, onde estão as melhores vagas de emprego para Engenheiro mecânico, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de engenharia mecânica e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Engenheiro mecânico:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Engenheiro mecânico

  • Jornada de trabalho: 42h
  • Piso salarial: R$5.191,15
  • Salário médio: R$7.311,49
  • Maior salário: R$11.049,34
  • Salário hora: R$34,65
  • Código da profissão: CBO 214405

Atribuições do cargo de Engenheiro mecânico

Projetam sistemas e conjuntos mecânicos, componentes, ferramentas e materiais, especificando limites de referência para cálculo, calculando e desenhando. Implementam atividades de manutenção, testam sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas, desenvolvem atividades de fabricação de produtos e elaboram documentação técnica. Podem coordenar e assessorar atividades técnicas.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

O exercício das ocupações requer formação em curso superior de Engenharia Mecânica e Afins ou Tecnologia em Fabricação Mecânica (ou outra formação correlacionada), com registro no CREA. A tendência do mercado atualmente é valorizar profissionais com pós-graduação e cursos de especialização. Em média, para o exercício pleno das atividades, demanda-se uma experiência superior a cinco anos para os engenheiros e, no caso dos tecnólogos, de 1 a 2 anos.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Trabalham nos setores industrial e de serviços. Na indústria, são empregados principalmente na metalurgia básica, fabricação de máquinas, equipamentos e veículos automotores, mas podem atuar em outros ramos industriais, tais como alimentos, têxtil e confecções, entre outros. Trabalham em equipe multidisciplinar, sob supervisão ocasional. Seu vínculo mais comum é como assalariado de carteira assinada, nas esferas pública e privada. Também são encontrados em universidades e institutos de pesquisa e, nesses casos, são classificados como pesquisadores e professores.

Código internacional CIUO88
2145 – Ingenieros mecánicos

Nota
Podem ocorrer casos de engenheiros mecânicos que também são professores no Ensino Superior ou pesquisadores. Para codificá-los considerar as atividades principais. Norma regulamentadora: Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966 – regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo e dá outras providências. Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991 – altera a Lei nº 5.194/66.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

PROJETAR SISTEMAS, CONJUNTOS MECÂNICOS, COMPONENTES E FERRAMENTAS

1 – Consultar literatura técnica;
2 – Consultar fornecedores;
3 – Consultar produtos similares;
4 – Especificar limites de referência (premissas);
5 – Especificar sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
6 – Especificar materiais;
7 – Calcular sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
8 – Desenhar sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
9 – Analisar viabilidade financeira do projeto;
10 – Analisar impactos socioambientais de projeto;
11 – Criar protótipos;
12 – Pesquisar novas tecnologias;

IMPLEMENTAR ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO

1 – Implantar sistemas de controle de desempenho de equipamento;
2 – Inspecionar sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
3 – Coletar dados técnicos de funcionamento de sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
4 – Classificar manutenção por nível de complexidade;
5 – Realizar manutenções;

TESTAR SISTEMAS, CONJUNTOS MECÂNICOS, COMPONENTES E FERRAMENTAS

1 – Estabelecer variáveis e valores de controle;
2 – Selecionar equipamentos de medição;
3 – Instalar equipamentos de teste;
4 – Aferir equipamentos de teste;
5 – Ajustar equipamentos de teste (calibrar);
6 – Estabelecer condições operacionais de teste;
7 – Medir variáveis durante operação;
8 – Avaliar resultados de teste de sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;

DESENVOLVER PROCESSOS DE FABRICAÇÃO

1 – Definir etapas de fabricação;
2 – Definir sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
3 – Controlar processo produtivo;
4 – Controlar qualidade de produto;
5 – Indicar alterações de variáveis de processo produtivo;
6 – Indicar alterações de sistemas, conjuntos mecânicas, componentes e ferramentas;
7 – Indicar alterações de instalações de fabricação (leiaute);
8 – Homologar processo de fabricação;
9 – Implementar processos de fabricação;

ELABORAR DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA

1 – Elaborar normas e manuais técnicos;
2 – Elaborar metodologias de testes;
3 – Elaborar padrões e procedimentos técnicos e operacionais;
4 – Elaborar especificações técnicas;
5 – Elaborar relatórios e laudos técnicos;
6 – Elaborar artigos técnicos;
7 – Elaborar planos de manutenção preventiva e preditiva;
8 – Codificar sistemas, conjuntos mecânicos e componentes e ferramentas;
9 – Elaborar teor técnico em contratação de bens e serviços;

COORDENAR ATIVIDADES TÉCNICAS

1 – Definir cronograma de trabalho;
2 – Definir escopo de trabalho;
3 – Definir equipe de trabalho;
4 – Coordenar equipe de trabalho;
5 – Coordenar logística de recursos;
6 – Gerir recursos financeiros;
7 – Avaliar resultado de atividades;
8 – Capacitar pessoal;

ASSESSORAR ATIVIDADES TÉCNICAS

1 – Prestar suporte técnico;
2 – Prestar consultoria técnica;
3 – Realizar perícia técnica em sistemas, conjuntos mecânicos, componentes e ferramentas;
4 – Assessorar elaboração de aplicativos específicos (softwares);
5 – Proferir palestras;
6 – Participar de auditoria de qsms;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Demonstrar raciocínio analítico;
2 – Demonstrar raciocínio lógico;
3 – Demonstrar orientação espacial;
4 – Demonstrar atenção difusa;
5 – Demonstrar capacidade retórica;
6 – Demostrar capacidade de negociação;
7 – Trabalhar em equipe;
8 – Demonstrar capacidade de liderança;
9 – Contornar situações adversas;
10 – Administrar conflitos;
11 – Usar epi;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Recursos De Informática;
  2. Softwares Específicos;
  3. Instrumentos de desenho;
  4. Bancada de teste;
  5. Aparelhos de aferição;
  6. Aparelhos de regulagem;
  7. Ferramentas manuais, elétrico, hidráulico, pneumáticas;
  8. Publicações técnicas;
  9. Motores;
  10. Equipamentos De Comunicação;
  11. Epi (equipamento de proteção individual);
  12. Máquinas operatrizes;
  13. Máquinas de baldeio;
  14. Transdutores;
  15. Calculadora;
  16. Manuais De Normas Técnicas;
  17. Aparelhos, Equipamentos E Instrumentos De Medição;

CARGOS RELACIONADOS

1 – Engenheiro mecânico;
2 – Engenheiro mecânico automotivo – Engenheiro de manutenção de veículos, Engenheiro mecânico (veículos automotores), Engenheiro mecânico automobilístico;
3 – Engenheiro mecânico (energia nuclear) – Engenheiro mecânico nuclear;
4 – Engenheiro mecânico industrial;
5 – Engenheiro aeronáutico;
6 – Engenheiro naval – Engenheiro de construção naval;
7 – Tecnólogo em fabricação mecânica – Tecnólogo em mecânica, Tecnólogo em processo de produção, Tecnólogo em processo de produção e usinagem;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Ernesto Berkenbrock;
  • Jocelito Grannemann Ribeiro;
  • Odir Camargo;
  • Ronaldo Aparecido Stivalli;
  • Tarcisio Kock Filho;

INSTITUIÇÕES

  • Companhia De Saneamento De Minas Gerais (Copasa);
  • Companhia Energética Do Estado De Minas Gerais (Cemig);
  • Companhia Siderúrgica Belgo-mineira (Usina De João Monlevade-mg);
  • Companhia Siderúrgica De Tubarão (Cst);
  • FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA;
  • Fiat Automóveis S.A.;
  • Moler Engenharia E Representações Ltda.;
  • STV TREINAMENTOS TECNOLOGICOS LTDA;
  • Sindicato Dos Engenheiros De Belo Horizonte;
  • Sociedade Educacional De Santa Catarina;
  • TKM USINAS DE PRECISÃO;
  • Tam Linhas Aéreas S.A.;
  • Usinas Siderúrgicas De Minas Gerais S.A. (Usiminas);
  • V&m Do Brasil S.A.;

Instituição Conveniada Responsável

Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp

Fonte: Ministério do Trabalho

Glossário
Limites de referências = premissas que o projeto deve atender. Pode ser número, custo, tempo, vida útil ou material. Aferir = comparar com o padrão Calibar = ajustar,consertar. Imetro = orgão regulamentador de normalização, de padronização.

Categorias
Cargos e salários

Engenheiro Químico – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Engenheiro Químico, onde estão as melhores vagas de emprego para engenheiro químico, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de engenharia química e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Engenheiro Químico:

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Engenheiro Químico

  • Jornada de trabalho: 42h
  • Piso salarial: R$5.072,49
  • Salário médio: R$7.144,36
  • Maior salário: R$10.796,76
  • Salário hora: R$33,94
  • Código da profissão: CBO 214505

Atribuições do cargo de Engenheiro Químico

Controlam processos químicos, físicos e biológicos definindo parâmetros de controle, padrões, métodos analíticos e sistemas de amostragem. Desenvolvem processos e sistemas por meio de pesquisas, testes e simulações de processos e produtos. Projetam sistemas e equipamentos técnicos. Implantam sistemas de gestão ambiental e de segurança em processos e procedimentos de trabalho ao avaliar riscos, implantar e fiscalizar ações de controle. Coordenam equipes e atividades de trabalho. Elaboram documentação técnica de projetos, processos, sistemas e equipamentos desenvolvidos.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

O exercício das ocupações requer formação superior em Engenharia química e afins ou Tecnologia em Produção Sucroalcooleira, com registro no CREA. No mercado de trabalho, têm sido valorizados profissionais com pós-graduação e cursos de especialização.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Atuam em um amplo campo de trabalho, em indústrias tradicionais como alimentos e bebidas e também em outros ramos, tais como a extração de minerais metálicos, petróleo e gás, refino de combustíveis, fabricação de produtos químicos e petroquímicos, indústria do açúcar e álcool. Trabalham em equipe, de forma cooperativa, podendo supervisioná-la ou serem supervisionados. São empregados, majoritariamente, em empresas privadas. Quando se vinculam a universidades e institutos de pesquisa geralmente exercem funções de professor ou pesquisador. Eventualmente, em algumas atividades que exercem podem estar expostos a materiais tóxicos, ruído intenso e altas temperaturas.

Código internacional CIUO88
2146 – Ingenieros químicos

Nota
Há engenheiros químicos que também exercem funções de professor ou de pesquisador. Para codificá-los, considerar as atividades principais. Norma Regulamentadora: Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966 – regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo e dá outras providências. Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991 – altera a lei nº 5.194/66.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

CONTROLAR PROCESSOS QUÍMICOS, FÍSICOS E BIOLÓGICOS

1 – Definir materiais e equipamentos;
2 – Definir nível de estoque de materiais;
3 – Definir parâmetros de controle de processos;
4 – Definir procedimentos operacionais;
5 – Definir padrões e métodos analíticos;
6 – Definir sistema de amostragem;
7 – Coletar amostras;
8 – Analisar amostras;
9 – Verificar conformidade de resultados;
10 – Verificar conformidade e funcionamento de equipamentos;
11 – Efetuar análise estatística de dados;
12 – Registrar ocorrências;
13 – Modificar variáveis de processos;
14 – Gerenciar custos de processos;
15 – Validar processos;
16 – Gerenciar indicadores de processos;

DESENVOLVER PROCESSOS E SISTEMAS

1 – Pesquisar processos, materiais e equipamentos;
2 – Calcular balanços de massa, energia e quantidade de movimento;
3 – Realizar testes e ensaios de materiais;
4 – Avaliar custo benefício de processos;
5 – Realizar testes em plantas industriais;
6 – Selecionar fornecedores de equipamentos, instalações e insumos;
7 – Desenvolver simuladores de processos;
8 – Simular processos;
9 – Participar do desenvolvimento de automação de processos;
10 – Alterar fluxograma de processos;
11 – Monitorar implantação de processos, sistemas e equipamentos;
12 – Prospectar soluções tecnológicas;

PROJETAR SISTEMAS E EQUIPAMENTOS

1 – Gerar projeto conceitual;
2 – Consultar normas técnicas, de segurança e legislação;
3 – Mensurar viabilidade técnica e econômica de projeto;
4 – Dimensionar equipamentos e sistemas;
5 – Gerar projetos de engenharia básica;
6 – Detalhar projeto construtivo;
7 – Elaborar cronograma físico-financeiro de projetos;
8 – Supervisionar implantação de projetos;
9 – Participar da elaboração de projetos;

IMPLANTAR SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

1 – Analisar aspectos e impactos ambientais;
2 – Quantificar impactos ambientais;
3 – Especificar ações de controle ambiental;
4 – Elaborar planos ambientais de contingência e emergência;
5 – Implantar ações de controle ambiental;
6 – Implementar processo de reutilização de rejeitos;
7 – Recuperar rejeitos e efluentes (sólidos, líquidos e gasosos);

COORDENAR EQUIPE E ATIVIDADES DE TRABALHO

1 – Programar atividades de trabalho;
2 – Estabelecer metas de trabalho;
3 – Selecionar equipe de trabalho;
4 – Delegar tarefas;
5 – Requisitar manutenção de equipamentos;
6 – Promover eventos e seminários técnicos;
7 – Participar de perícias técnicas e auditorias;
8 – Prestar consultorias e assistências técnicas;
9 – Assessorar a elaboração de planos de carreiras;
10 – Avaliar consultorias e assistências técnicas;
11 – Coordenar qualificação técnica de equipe;
12 – Avaliar desempenho individual e de equipe;
13 – Avaliar cumprimento de metas;
14 – Avaliar relatórios;
15 – Divulgar planos, metas e resultados;
16 – Capacitar pessoal;

IMPLEMENTAR SEGURANÇA DE PROCESSOS E PROCEDIMENTOS DE TRABALHO

1 – Classificar perigos e riscos de segurança;
2 – Elaborar planos de segurança de trabalho;
3 – Estabelecer procedimentos de segurança;
4 – Realizar inspeções periódicas;
5 – Fiscalizar procedimentos e utilização de equipamentos de segurança;
6 – Diagnosticar causas de acidentes de trabalho;
7 – Participar da implementação de processos e procedimentos de trabalho;

ELABORAR DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA

1 – Elaborar mapa de riscos ambientais e de segurança;
2 – Elaborar ficha de segurança de materiais e produtos químicos;
3 – Emitir normas técnicas;
4 – Emitir laudos técnicos;
5 – Redigir relatórios e manuais;
6 – Padronizar documentos técnicos;
7 – Submeter pedido de patentes de produtos e processos;
8 – Preparar documentação legal;
9 – Registrar memória técnica;
10 – Registrar não conformidades;

TRABALHAR COM SEGURANÇA

1 – Participar de treinamento de segurança no trabalho;
2 – Isolar áreas de risco;
3 – Usar epi e epc;
4 – Comunicar acidentes e incidentes no trabalho;
5 – Verificar observância de normas técnicas e de segurança;
6 – Realizar exames médicos periódicos;

DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Demonstrar capacidade de raciocínio lógico;
2 – Demonstrar capacidade de raciocínio indutivo;
3 – Tomar decisões;
4 – Demonstrar liderança;
5 – Trabalhar em equipe;
6 – Demonstrar capacidade de síntese;
7 – Demonstrar capacidade de raciocínio dedutivo;
8 – Demonstrar capacidade de persuasão;
9 – Demonstrar senso crítico;
10 – Demonstrar atenção focada;
11 – Demonstrar acuidade sensorial;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Sistemas De Informática/computadores;
  2. Fornos;
  3. Transportadores de correias;
  4. Lixadeiras;
  5. Tanque de armazenamento;
  6. Medidores de vazão;
  7. Phmetro;
  8. Controladores de nível;
  9. Tituladores;
  10. Agitadores;
  11. Estufas;
  12. Torre de destilação;
  13. Calorímetro;
  14. Ciclone;
  15. Moinhos;
  16. Reatores;
  17. Filtros;
  18. Lavador de gases;
  19. Trocador de calor;
  20. Torre de resfriamento;
  21. Instrumentos analíticos;
  22. Bombas;
  23. Medidores de temperatura;
  24. Vidraria;
  25. Medidores de pressão;
  26. Balanças analíticas;
  27. Calculadora;
  28. Papel;
  29. Britadores;
  30. Prensas;
  31. Peneirador;
  32. Moendas/difusores;
  33. Caldeiras;

CARGOS RELACIONADOS

1 – Engenheiro químico – Engenheiro de desenvolvimento químico, Engenheiro de processamento químico, Engenheiro químico (alimentos e bebidas), Engenheiro químico de processos, Engenheiro químico de produção, Engenheiro químico de projetos, Engenheiro químico, em geral;
2 – Engenheiro químico (indústria química) – Engenheiro de indústria química, Engenheiro químico (açúcar e álcool), Engenheiro químico (cosméticos, higiene e limpeza), Engenheiro químico (fertilizantes), Engenheiro químico (produtos farmacêuticos), Engenheiro químico (solventes e tintas), Engenheiro químico (têxtil), Engenheiro químico (ácidos e bases);
3 – Engenheiro químico (mineração, metalurgia, siderurgia, cimenteira e cerâmica) – Engenheiro químico (cerâmica), Engenheiro químico (cimento), Engenheiro químico (metalurgia), Engenheiro químico (mineração), Engenheiro químico (siderurgia);
4 – Engenheiro químico (papel e celulose) – Engenheiro de celulose e papel, Engenheiro químico (celulose), Engenheiro químico (papel)
5 – Engenheiro químico (petróleo e borracha) – Engenheiro químico (borracha), Engenheiro químico (derivados de petróleo), Engenheiro químico (petróleo e petroquímica), Engenheiro químico (plástico);
6 – Engenheiro químico (utilidades e meio ambiente) – Engenheiro químico (meio ambiente), Engenheiro químico (utilidades);
7 – Tecnólogo em produção sulcroalcooleira – Tecnólogo em produção de açúcar e álcool;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Andrei Cristiano De Oliveira;
  • Ivan Luís Nakamura;
  • Josivaldo Duarte Silva;
  • Ronaldo Aparecido De Souza;
  • Vera Lucia Alves Fidelis;

INSTITUIÇÕES

  • Ambientech Tecnologia Ambiental Ltda.;
  • Celulose Nipo Brasileira S.A. (Cenibra);
  • Centro De Pesquisas Da Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras-cenpes);
  • Companhia Energética Do Estado De Minas Gerais (Cemig);
  • Companhia Siderúrgica De Tubarão (Cst);
  • Crb Técnica Ambiental Ltda.;
  • Fertilizantes Fosfatos S.A. (Fosfértil);
  • Fiat Automóveis S.A.;
  • Fundação Estadual Do Meio Ambiente (Feam);
  • Instituto De Pesos E Medidas De Minas Gerais (Ipem-mg);
  • Itambé – Cooperativa Central Produtores Rurais De Minas Gerais;
  • Petróleo Brasileiro S.A. – Refinaria Gabriel Passos (Petrobras-regap);
  • Usinas Siderúrgicas De Minas Gerais S.A. (Usiminas);

Instituição Conveniada Responsável

Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp

Fonte: Ministério do Trabalho

Glossário
Processo: transformações químicas, físicas e biológicas que levam a matéria-prima ao produto final, por meio de operações unitárias. Sistema: conjunto de processos, equipamentos, instalações e utilitários. Projeto conceitual: descrição inicial do projeto, é o pré-projeto. Projeto de engenharia básica: projeto em detalhamento, com cálculos. Ele é o pré-projeto desenvolvido, com detalhamento e dimensionamento. Processos Químicos: de transformações químicas, exemplo: polimerização, nitração e reações de branqueamento, produção de ácido fosfórico a partir do minério. Processos físicos: de tranformações físicas da matéria, exemplo: filtração, transferência de calor, sedimentação. Processos biológicos: ultilização de organismos vivos para transformação de matéria orgânica, exemplo: degradação de matéria orgânica na água, fermentação, desinfecção, esterilização.

Categorias
Cargos e salários

Engenheiro Metalúrgico – O que faz, Salário, Formação, CBO

Veja o que faz, quanto ganha um Engenheiro Metalúrgico, onde estão as melhores vagas de emprego para engenheiro metalúrgico, informações completas do Ministério do Trabalho e Fundação Instituto De Pesquisas Econômicas – Fipe – Usp com a participação de empresas e profissionais do setor de engenharia e Recursos Humanos.

A seguir, as informações sobre Engenheiro Metalúrgico

  • Quanto ganha;
  • Jornada de trabalho;
  • Piso salarial;
  • Salário médio;
  • Maior salário;
  • Salário hora;
  • Código da Profissão;
  • Atribuições / descrição do cargo;
  • Formação e experiência;
  • Condições gerais para exercício do cargo;
  • Descrição das atividades;
  • Recursos para exercício do cargo;
  • Cargos relacionados;
  • Participaram da pesquisa;
  • Instituições.

Quanto ganha um Engenheiro Metalúrgico

  • Jornada de trabalho: 43h
  • Piso salarial: R$5.831,41
  • Salário médio: R$8.213,25
  • Maior salário: R$12.412,11
  • Salário hora: R$38,47
  • Código da profissão: CBO 214610

Atribuições do cargo de Engenheiro Metalúrgico

Projetam estruturas, propriedades e processos de materiais e, para tanto, entre outras atividades, selecionam materiais e processos, planejam e supervisionam testes e experimentos e caraterizam produtos, processos e aplicações. Assessoram na transformação de matérias-primas em produtos, desenvolvem produtos, processos e aplicações, gerenciam qualidade de matérias-primas, produtos e serviços e elaboram documentação técnica. Podem prestar assessoria técnica a clientes.

FORMAÇÃO E EXPERIÊNCIA

Requer-se formação superior em Engenharia, nas áreas de metalurgia, materiais e formações afins, com registro no CREA, sendo que há titulares que são pós-graduados e/ou especializados e/ou curso em nível de Tecnologia. Em média, o exercício pleno das atividades nas ocupações demandam um a dois anos de experiência.

CONDIÇÕES GERAIS PARA O EXERCÍCIO DO CARGO

Trabalham, principalmente, nas atividades econômicas da indústria metalúrgica, minerais não metálicos, borracha e plástico. Lidam com materiais metálicos, compósitos, cerâmicos e polímeros. Podem ser encontrados, em particular, em empresas de médio e grande porte do setor privado, embora também possam trabalhar em universidades e institutos de pesquisas, públicos ou privados. Nesses casos, atuam como professores e pesquisadores. Desenvolvem suas atividades em equipe, com supervisão ocasional. Em algumas atividades, podem trabalhar em condições especiais, por exemplo: expostos a materiais tóxicos, ruído intenso, altas temperaturas, poeira e materiais particulados.

Código internacional CIUO88
2147 – Ingenieros de minas y metalúrgicos y afines

Nota
Norma Regulamentadora: Lei nº 5.194, de 24 de dezembro de 1966 – regula o exercício das profissões de Engenheiro, Arquiteto e Engenheiro Agrônomo e dá outras providências. Lei nº 8.195, de 26 de junho de 1991 – altera a lei nº 5.194/66.

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES

PROJETAR ESTRUTURAS, PROPRIEDADES E PROCESSOS DE MATERIAIS

1 – Analisar estrutura e propriedade de materiais;
2 – Desenvolver novos materiais;
3 – Analisar viabilidade de aproveitamento de resíduos;
4 – Planejar testes e experimentos;
5 – Supervisionar testes e experimentos;
6 – Caracterizar produto, processos e aplicações;
7 – Analisar resultados de testes e experimentos;
8 – Selecionar matérias-primas e materiais;
9 – Selecionar processos;
10 – Realizar testes e experimentos;

ASSESSORAR PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE MATÉRIAS-PRIMAS EM PRODUTOS

1 – Assessorar extração de matérias-primas;
2 – Assessorar beneficiamento de matérias primas e materiais;
3 – Assessorar processos de transformação metalúrgicos;
4 – Assessorar processos de transformação cerâmicos;
5 – Assessorar processos de transformação poliméricos;
6 – Assessorar processos de transformação de materiais compósitos;
7 – Assessorar compras de matérias-primas e insumos;

C – DESENVOLVER PRODUTOS, PROCESSOS E APLICAÇÕES

1 – Detectar novos negócios e oportunidades;
2 – Analisar a concorrência;
3 – Desenvolver estudos de viabilidade técnica e econômica;
4 – Selecionar fornecedores de materiais e de serviços;
5 – Interpretar padrões, normas e especificações;
6 – Supervisionar construção, montagem e operação de equipamentos;
7 – Estabelecer parâmetros do processo;
8 – Especificar máquinas, equipamentos e materiais para produção;

D – PRESTAR SUPORTE TÉCNICO

1 – Avaliar necessidades do cliente;
2 – Propor soluções e melhorias técnicas;
3 – Ministrar capacitação;
4 – Tratar reclamações técnicas do cliente;
5 – Acompanhar utilização do produto pelo cliente;
6 – Participar na elaboração de contratos;
7 – Orientar fornecedores para adequação de matéria-prima;
8 – Monitorar risco ambiental de matérias-primas, produtos e processos;
9 – Prestar consultoria técnica;

E – ELABORAR DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA

1 – Preparar material didático;
2 – Produzir artigos técnicos;
3 – Emitir relatório técnico;
4 – Criar padrões, normas e especificações internas;
5 – Emitir laudo técnico;
6 – Emitir certificado da qualidade do produto e serviços;
7 – Elaborar procedimentos técnicos e operacionais;
8 – Auxiliar na elaboração do relatório de meio ambiente;

F – GERENCIAR QUALIDADE DE MATÉRIAS-PRIMAS, PRODUTOS E SERVIÇOS

1 – Determinar objetivos e/ou metas da qualidade;
2 – Avaliar desempenho e resultados da qualidade;
3 – Detectar não conformidades;
4 – Propor medidas para minimização de não conformidades;
5 – Corrigir variações no processo;
6 – Classificar produtos não conformes;
7 – Aprovar qualidade de produtos e serviços;
8 – Realizar auditorias em sistemas da qualidade;
9 – Assessorar auditoria em sistemas de qualidade;

Z – DEMONSTRAR COMPETÊNCIAS PESSOAIS

1 – Demonstrar capacidade de raciocínio lógico;
2 – Demonstrar capacidade de observar detalhes;
3 – Demonstrar capacidade de análise;
4 – Demonstrar pró-atividade;
5 – Demonstrar capacidade de raciocínio dedutivo;
6 – Demonstrar capacidade de adaptação;
7 – Demonstrar capacidade de negociação;
8 – Demonstrar capacidade de trabalhar em equipe;
9 – Demonstrar liderança;
10 – Demonstrar acuidade visual;

RECURSOS PARA EXERCÍCIO DO CARGO

  1. Recursos De Informática;
  2. Mobiliário de escritório;
  3. Calculadora;
  4. Material de escritório;
  5. Telefone;
  6. Fax;
  7. Aplicativos de informática;
  8. Veículo;
  9. Livros, manuais e similares;
  10. Recursos áudio-visuais;
  11. Equipamentos para avaliar propriedades químicas;
  12. Equipamentos para avaliar propriedades físicas;
  13. Equipamentos para avaliar propriedades mecânicas;
  14. Equipamentos para avaliar propriedades metalúrgica;
  15. Equipamentos para simulação em escala piloto;
  16. Equipamentos para avaliar propriedades térmicas;
  17. Equipamentos para avaliar propriedades reológicas;
  18. Epi E Epc;

CARGOS RELACIONADOS

1 – Engenheiro de materiais – Engenheiro de materiais (cerâmica), Engenheiro de materiais (metais), Engenheiro de materiais (polímeros);
2 – Engenheiro metalurgista – Engenheiro metalúrgico, Engenheiro metalúrgico (produção de metais), Engenheiro metalúrgico (siderurgia), Engenheiro metalúrgico (tratamento de metais);
3 – Tecnólogo em metalurgia – Tecnólogo em processos metalúrgicos, Tecnólogo metalurgista;

PARTICIPARAM DA PESQUISA

  • Daniela Dos Reis Simões;
  • Sidney Depret;

INSTITUIÇÕES

  • Apolo Tubulars;
  • Gerdau – Aços Especiais Do Brasil;

Instituição Conveniada Responsável

Ministério Do Trabalho E Emprego – Mte

Fonte: Ministério do Trabalho

Glossário
Estruturas: menor quantidade de um material capaz de representar as suas propriedades macroscópicas. São os modos de arranjo, construção ou organização das partes, elementos ou constituintes dos materiais. Beneficiamento de materiais: processos de melhoria das propriedades dos materiais. Tratamento de materiais: tratar o material pode ser definido por submeter os materiais a processos de modificação e/ou transformação de suas propriedades. Conformação: modificar a forma física dos materiais, tornando-os aplicáveis do ponto de vista do uso. É o processo que confere forma a um determinado material.