Categorias
Empreendedorismo

Microempreendedor Individual

Quem deseja ser um Microempreendedor individual e montar seu próprio negócio passa por diversos desafios no Brasil. Entre os altos tributos sobre os serviços, a contratação de mão de obra qualificada e os investimentos necessários, o empreendedor necessita de qualificação, estrutura emocional e financeira para vencer as batalhas diárias.

Para muitos empreender é um sonho, para outros uma grande conquista. Existem os que já possuem seu negócio, mas não estão legalizados perante a lei. E pensando nisso foi que o Governo Federal criou o Portal do microempreendedor individual.

Aos empreendedores de primeira viagem, que dispõem de seus serviços ou produtos, mas não tem o intuito de montar uma grande empresa no inicio, agora ficou muito mais fácil possuir o seu próprio CNPJ.

O Portal do microempreendedor individual conta com informações úteis para os empreendedores se legalizarem e adquirirem o conhecimento sobre tributações e códigos específicos para os pequenos negócios.

Um dos benefícios principais do microempreendedor individual é a possibilidade de pagar uma taxa mensal, que varia conforme o serviço ofertado pela empresa, mas que não ultrapassa R$ 100,00 mensais. Assim, inscrevendo-se no portal do microempreendedor individual, o negócio fica legalizado e o empreendedor consegue seu CNPJ próprio, além de notas fiscais e leis de garantia do governo.

Assim como outros casos, para estar dentro dos requisitos necessários para ser um microempreendedor individual, o principal é gerar um lucro menor que R$ 60.000,00 reais anuais.

Caso o empreendedor preveja um lucro maior do que o indicado pela lei, ele já passa de microempreendedor individual para uma microempresa e assim necessita pagar outras tributações.

Os empreendedores que criam seus negócios precisam estar sempre atualizados sobre as leis trabalhistas, contábeis e financeiras, mas, além disso, precisam gerar receita com seus negócios para mantê-los e garantir sua expansão.

Para tal, é importante buscar novas qualificações para desenvolver estratégias diferentes de aquisição de clientes, fluxo de caixa, estruturação de setores.

Quem já é um microempreendedor individual e já conquistou seu espaço no mercado também necessita de informações constantes sobre a concorrência, leis e atualidades.

Cursos como o do Sebrae, auxiliam o empreendedor na qualificação, no planejamento e estruturação do negócio. Para garantir resultados efetivos é necessário iniciar pelo plano de negócios, com ele o empreendedor consegue desenvolver cada área da empresa e medir os resultados alcançados com cada etapa do processo de criação de sua empresa.

O Sebrae auxilia os pequenos empresários na criação de seus negócios e também fornece cursos para os empreendedores que já estão a mais tempo no mercado.

Outro ponto essencial para ter permanência e efetividade na manutenção de um negócio é planejar e estrutura o marketing. Mesmo um microempreendedor individual que trabalha sozinho ou com um número reduzido de colaboradores precisa ter estratégias de marketing e comunicação para divulgar seus serviços/produtos, criar uma marca sólida na região e aumentar seu número de clientes.

Ter uma marca sólida e um posicionamento objetivo fazem parte de todo negócio que pretende crescer. Além disso, é necessário desenvolver um site, criar canais de relacionamento com seus públicos, formatos de divulgação de seus serviços e assim desenvolver seu negócio para o sucesso.

Categorias
Empreendedorismo

Portal do Microempreendedor

Você faz produtos artesanais para vender, aceita encomenda de doces e salgados para festa ou ainda presta serviço de jardinagem e paisagismo? Já conhece o Portal do Microempreendedor? Se não conhece, não perca mais tempo e acesse agora mesmo o Portal do Microempreendedor e veja legalizar o pequeno empresário.

Portal do microempreendedor individual

O MEI – Microempreendedor individual é a pessoa que trabalha sozinho, por conta própria e não em participação em outra empresa como titular. Para ser um microempreendedor individual é necessário ter um faturamento máximo de R$ 60.000 por ano.

Esse microempreendedor pode ainda ter um funcionário contratado que receba o piso da categoria ou um salário mínimo.

A pessoa que se cadastra e se legaliza como Microempreendedor individual consegue uma série de vantagens, como o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), facilitando a abertura de contas, emissão de notas fiscais e pedidos de empréstimos.

Por estar de acordo com o Simples Nacional, o MEI estará isento do pagamento de tributos federais, tais como Imposto de Renda, Cofins, PIS, CSLL e IPI). O gasto será apenas de R$ 45,00 mensais (para indústria ou comércio), R$ 49,00 (para prestação de serviços) ou de R$ 50,00 (para comércio e serviços), destinados ao ICMS ou ISS e para a Previdência Social. Com o pagamento desse tributo o MEI passa a ter direito ao auxílio doença, auxílio maternidade e aposentadoria.

Pata se formalizar basta ter em mãos o Título de Eleitor, o CPF, CNPJ e número do recibo do Imposto de Renda do responsável e acessar o site http://www.portaldoempreendedor.gov.br/mei-microempreendedor-individual/formalize-se.

O pagamento deve ser realizado até o dia 20 de cada mês. E para gerar o boleto de pagamento basta ter um computador conectado à internet, o boleto é feito pelo Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS).

Portal do microempreendedor individual serviços

Pelo site do Portal do Microempreendedor você terá acesso a alguns serviços rápidos. Alguns dos serviços que o Portal oferece são as Certidões Negativas, necessárias para o MEI. As Certidões Negativas são documentos emitidos para comprovar que determinada pessoa não tem débitos junto a órgãos públicos. Entre as certidões do MEI estão a de Débitos Trabalhistas, da Receita Federal, INSS da Previdência Nacional, FGTS da Caixa Econômica Federal e das Secretarias de Fazenda Estaduais.

O Portal do MEI também oferece comprovantes cadastrais, entre eles de comprovação de Situação Cadastral no CPF ou de Situação Cadastral no CNPJ.

Outro serviço interessante é do Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, com informações úteis para empreendedores. O SBRT irá orientar o microempreendedor individual para solucionar problemas com os produtos antes mesmo dele existir. O SBRT fornece informações tecnológicas para melhorar o processo de produção e a qualidade do produto.

Na guia de “Serviços Online” você também encontra o link para acesso ao Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Nesse site você pode cadastrar sua empresa e também tem acesso a diversas informações com temas pertinentes ao seu negócio, tais como empreendedorismo, finanças, planejamento, mercado e vendas, cooperação, inovação, leis e normas, organização e pessoas.

Com essas informações e com toda a ajuda do Sebrae e do Portal do Microempreendedor Individual, sua pequena empresa irá decolar e alcançar muito sucesso no nicho escolhido.

Categorias
Empreendedorismo

MEI

Por vivermos em meio a um cenário econômico que oscila constantemente, nós, brasileiros, devemos buscar por alternativas para a inserção no mercado de trabalho que garantam maior estabilidade financeira e independência.

Como solução para o desemprego, cada vez mais pessoas despertam o interesse pela autonomia e seguem o caminho para se tornarem MEIs.

MEI ou Microempreendedor Individual é o nome dado ao chamado trabalhador informal que possui um negócio próprio com faturamento de até 60 mil reais por ano ou de cinco mil reais por mês, e se encontra reconhecido legalmente como um pequeno empreendedor.

Também pode ser considerado como MEI o funcionário de uma organização que recebe um valor que chega até o piso salarial de sua categoria. No Brasil, são mais seis milhões de MEIs em exercício. A maior parte destes microempreendedores se encontra numa faixa etária entre 31 e 40 anos.

Microempreendedor Individual

A legalização do MEI é sustentada pela Lei Complementar nº 128, de 2008. E, aqueles que estão amparados pela lei têm direito a obter o Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), para que seja possível abrir contas bancárias, pedir empréstimos e emitir notas fiscais.

Outra vantagem é que o MEI se enquadra no programa Simples Nacional, um regime tributário simplificado, e dessa forma, fica isento de taxas como, Cofins, Imposto de Renda, PIS, IPI e CSLL.

Ao se tornar um Microempreendedor Individual, a única taxa a ser paga é um valor fixo mensal, dependendo do setor onde o negócio se enquadra (comércio e indústria, prestação de serviços ou comércio e serviços).

Este valor é revertido para Previdência Social e ISS ou ICMS, assim é possível garantir alguns benefícios como o auxílio maternidade, aposentadoria, entre outros. O pagamento desta mensalidade é realizado por meio de um carnê e é preciso estar atento aos prazos para não correr o risco de ter seus benefícios prejudicados.

Portal do Empreendedor

Para se registrar como um microempreendedor individual é necessário acessar o Portal do Empreendedor. Para efetuar o registro é preciso portar algumas informações como os números do Cadastro de Pessoa Física (CPF), o número dor recibo de Imposto de Renda do empresário e o título de eleitor.

Mas, antes de realizar o registro, é preciso ficar de olho em alguns pontos importantes. O futuro microempreendedor deve verificar se recebe algum benefício, como por exemplo, o seguro desemprego ou aposentadoria por invalidez.

É necessário verificar também se atividade escolhida se enquadra como MEI e se a prefeitura permite que ela seja exercida no local desejado. Para esclarecer mais dúvidas, basta acessar o Portal do Empreendedor.

Após a formalização do registro como MEI, a empresa é regularizada junto aos órgãos do Governo. Também é possível regularizar o MEI, de forma gratuita, em escritórios de contabilidade e empresas que optem pelo Simples Nacional.

Assim que o registro é concluído no site, o empresário tem acesso ao Certificado da Condição de Microempreendedor Individual (CCMEI), contendo o CNPJ e as inscrições no INSS e Junta Comercial, e o Alvará de Provisório de Funcionamento, e assim já pode começar a trabalhar.

Categorias
Empreendedorismo

Microempreendedor

Com a lei criada em 2009 o Microempreendedor brasileiro (profissionais autônomos e microempresários) já podem  legalizar sua profissão, obtendo benefícios previdenciários e isenções fiscais. O governo brasileiro criou o Microempreendedor Individual (MEI) com o objetivo de mostrar que é possível lucrar muito mais sendo formalizado do que trabalhando de maneira informal.

A formalização é totalmente gratuita e pode ser feita pela internet. O MEI possuirá, então, direitos e deveres. Leia os tópicos abaixo e conheça um pouco mais o MEI e saiba o que fazer para ser formalizado.

Microempreendedor individual

Para ser um microempreendedor individual é preciso estar enquadrado em algumas características. Um MEI pode ter um faturamento anual de, no máximo, 60 mil reais. Não deve ser titular, sócio ou administrador de outra empresa. Seu ramo de atividade deve constar no Anexo III da Resolução do Comitê Gestor do Simples Nacional de número 94/2011. E ele deve ter, no máximo, um empregado.

Ao ser formalizado, o MEI terá deveres tributários. É cobrada uma taxa mensal, que varia de acordo com o ramo do negócio. O pagamento é feito através de uma guia de recolhimento chamada Documento de Arrecadação do Simples Nacional (DAS), emitida pelo Portal do Empreendedor.

Portal do microempreendedor

Depois de verificar se seu trabalho se enquadra nas regras e analisar se ele está de acordo com a Lei Complementar nº 128/2008, é necessário iniciar o processo de formalização. O cadastramento é gratuito e tem orientação total do Sebrae.

Para inicializar o processo de formalização é preciso entrar no Portal do Empreendedor, um site do Governo Federal, para preencher o cadastro. Depois que todos os seus dados forem confirmados, você já será considerado um microempreendedor individual. Você precisa apenas guardar toda a documentação que comprova que você é um MEI.

Também é possível fazer a formalização através de escritórios e empresas que optaram pelo Simples Nacional. No Portal do Empreendedor você poderá ver em quais lugares da sua cidade é possível fazer isso.

MEI microempreendedor

Com a aprovação da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, a categoria do MEI foi criada em julho de 2009. Quem trabalha individualmente poderá ser legalizado através da criação de um CNPJ, que facilitará empréstimos, emissão de notas fiscais e aberturas de contas em banco.

Com a sua formalização como MEI, você passa a fazer parte do Simples Nacional. Dessa forma, estará isento de tributos federais como PIS, Cofins, IPI, CSLL e Imposto de Renda. Além disso, receberá benefícios previdenciários, como auxílio-maternidade, auxílio doença, aposentadoria, entre outros. No site do Sebrae você encontra uma lista com todas as atividades permitidas na formalização.

Microempreendedor individual Sebrae

Ao ser formalizado como MEI, o empresário pode ter uma assessoria do Sebrae. Além disso, o órgão possui vários cursos para ajudar o microempreendedor a se desenvolver. Conheça alguns deles:

  • Planejamento Estratégico;
  • Sucessão Empresarial;
  • Tendências e Inovações em Serviços de Alimentação;
  • Análise e Planejamento Financeiro;
  • Como Vender Mais e Melhor;
  • Formação do Preço de Venda;
  • Atendimento ao Cliente;
  • Negociação;
  • Oportunidades e Visão de Negócios;
  • Programa Varejo Fácil – Técnicas de Venda.

O Sebrae ainda conta com o programa SEI, que objetiva ensinar o microempresário a ter uma gestão eficiente e lucrativa. São diversas soluções para pontos essenciais nos negócios, como vendas, compras, planejamento e controle de caixa.

Categorias
Empreendedorismo

Como se tornar um empreendedor de sucesso

Muito se fala sobre ser empreendedor e da necessidade de ter perfil para empreender, especialmente nos tempos atuais, apesar disto, este conceito ainda causa muitas dúvidas e questionamentos, especialmente para quem acredita ter o perfil correto para empreender, mas não sabe por onde, nem como começar.

Afinal, o que é ser empreendedor?

Empreendedor é a definição de um perfil profissional dinâmico. Este perfil é formado por algumas características que se destacam como criatividade, pró-atividade, habilidade de organização, planejamento, responsabilidade, liderança, facilidade para trabalhar em equipe, disponibilidade para assumir riscos calculados, controle de resultados, além de uma visão de futuro, por exemplo.

Ao contrário do que muitos pensam, o perfil empreendedor não serve apenas para definir um profissional com capacidade para abrir uma empresa. Embora esta seja uma sugestão constantemente abordada, é possível ser um empreendedor atuando como profissional de uma empresa.

Empreendedor individual

Empreendedor individual

Para estimular ainda mais o desenvolvimento de profissionais com este perfil empreendedor e também favorecer o desenvolvimento de novos negócios para movimentar ainda mais a economia, o Governo criou o Micro Empreendedor Individual, também conhecido como MEI.

O MEI é um profissional que trabalha por conta própria e que com o apoio do programa do governo, pode realizar suas atividades de forma legalizada, atuando como um microempresário.

Esta categoria de trabalho garante a retirada de um CNPJ, o que permite o acesso a diversos benefícios, além da simplificação do pagamento de tributos, que estão enquadrados no sistema conhecido como Simples Nacional.

Alguns dos requisitos para se enquadrar na categoria de MEI que são: possuir faturamento anual de até R$ 60 mil e possuir no máximo 1 empregado com carteira assinada.

Atualmente há muitas profissões que permitem enquadramento para o registro como MEI como por exemplo: artesãos, barbeiros, borracheiros, chaveiros, eletricistas, manicures, jornalistas, entre muitas outras.

Como se cadastrar como empreendedor individual

Como se cadastrar como empreendedor individual

O processo de formalização e registro do MEI é bem simples de ser realizado e pode ser feito gratuitamente através do Portal do Empreendedor, criado pelo do Governo Federal.

Para realizar o cadastro basta acessar o site: www.portaldoempreendedor.gov.br e seguir este passo a passo:

1.    Cadastre-se no Portal do empreendedor

Basta clicar no link  [FORMALIZAÇÃO – INSCRIÇÃO]

Você realizará o cadastro dos seus dados no sistema e logo após a conclusão o CNPJ e o número de inscrição na Junta Comercial serão gerados imediatamente.

*Atenção! Não será necessário encaminhar nenhum documento à Junta Comercial

2. Custos da formalização

Após a formalização do cadastro, o empreendedor passará a arcar com o custo de R$ 44,00 por mês. Este valor representa 5% do salário mínimo e sofre reajuste no início de cada ano. Deste valor pago, há recolhimento de R$ 1,00 fixo todos os meses para o Estado (atividades comerciais ou indústria) e R$ 5,00 para o Município todos os meses (atividades prestadoras de serviço)

Este pagamento é feito através da DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional ), que pode ser gerado pela internet e deve ser quitado até o dia 20 de cada mês.

3. Solicite alvará

Como toda atividade empresarial, mesmo que seja realizada em casa precisa de autorização da Prefeitura, será preciso comparecer à prefeitura para realizar a solicitação do Alvará de Funcionamento (o processo para MEI é gratuito)